20 de abril de 2018

Kate Nash - Yesterday Was Forever (2018)

Quem conheceu a Kate Nash em seu primeiro disco, "Made Of Bricks", sabe que aquela cantora que tocava piano e fazia aquelas músicas chicletes hoje já não existe mais. A nova Kate Nash, rebelde, começou a se desenhar ainda no segundo disco "My Best Friend Is You" e veio à tona no sucessor "Girl Talk".

O quarto álbum da cantora, "Yesterday Was Forever", é mais uma demonstração da mudança de visual em todos os sentidos. Sonoramente falando Kate Nash abandonou seu piano e começou a descer o braço na guitarra chegando a lembrar Best Coast, por exemplo. Logo de cara a faixa Life In Pink mostra isso criando um pop agressivo com pitadas do rock de garagem se espalhando pelo refrão. Isso se repete em quase todo o disco.

"Yesterday Was Forever" tem 14 faixas e nasceu graças a uma campanha de crowdfunding no site Kickstarter e foi lançado oficialmente em 30 de Março. Ouça na íntegra logo abaixo. 

Leia Mais »

13 de abril de 2018

Manic Street Preachers - Resistance Is Futile (2018)

Uma das clássicas bandas do rock alternativo, o Manic Street Preachers, acaba de chegar ao décimo terceiro álbum de estúdio com o "Resistance Is Futile" em uma carreira praticamente ininterrupta.

O disco foi lançado oficialmente hoje, 13 de Abril, e chegou com uma versão especial repleta de demos do próprio disco. Apesar de não alterar a fórmula de seus últimos registros, o Manics tem entregado expressivos discos na esfera roqueira com um lado melódico acentuado mostrando sua força e "doçura" ao mesmo tempo. 

Em "Resistance Is Futile" isso continua se destacando. Enquanto o conjunto guitarra, baixo, bateria e a voz de Bradfield preservam a identidade roqueira do grupo assumindo também o lado melódico, tons orquestrais inseridos no arranjo ressaltam esse viés.

Leia Mais »

16 de março de 2018

Yo La Tengo - There’s A Riot Going On (2018)

O Yo La Tengo é uma dessas bandas que eu/você gostaria de ter toda a discografia dela em casa. Não à toa ela é recheado de belos trabalhos desde os mais ásperos como "Fakebook" (1990) e "I Can Hear the Heart Beating as One" (1997) aos mais delicados como "Fade" (2013) e o mais novo deles "There’s A Riot Going On", décimo quinto álbum de estúdio.

Nele o trio privilegia seu lado mais melódico, talvez o mais "sofisticado", com canções harmoniosas que enfatizam o viés pop da banda. A primeira parte do álbum é belíssima começando com uma sequência de quatro músicas encantadoras. Ira Kaplan, Georgia Hubley e James McNew tiram o peso dos instrumentos para tocarem num tom mais suave.

"There’s A Riot Going On" possui 15 faixas totalizando 63 minutos e funciona bem se você deixar ele tocando pra te acompanhar enquanto faz algo sossegado. Temos aqui mais um belo trabalho do Yo La Tengo!

Leia Mais »

6 de março de 2018

Titus Andronicus - A Productive Cough (2018)

O quinto disco do Titus Andronicus, "A Productive Cough", surge para completar a "ópera roqueira" que foi o disco "The Most Lamentable Tragedy" de 2015.

Com apenas sete faixas, bem menos que o anterior que tinha vinte e nove e foram dividas em cinco atos, o atual soa como um álbum que celebra o fim de algo e nisso todo mundo se reúne pra tocar de forma organizada. Nesse caso até um cover de Like a Rolling Stone do Bob Dylan com vocais roucos, meio punk, é permitido.

Em sua festa particular Patrick Stickles colocou nela de tudo um pouco menos aquela roupagem dos primórdios do Titus Andronicus.

Leia Mais »

2 de março de 2018

Gwenno - Le Kov (2018)

Uma curiosidade já dita aqui no blog sobre a Gwenno: caso não saiba ela é uma das ex integrantes do grupo The Pipettes. Seu primeiro álbum cheio, "Y Dydd Olaf", foi lançado em 2015 e outro detalhe interessante é que ela canta em galês sua língua materna.

A cantora lançou hoje, 02 de Março, seu segundo álbum chamado "Le Kov". Como era de se esperar, o trabalho segue o lado pop oposto ao The Pipettes. No novo registro encontramos o pop se espalhando num labirinto eletrônico em que cada trajeto leva a cantora a andar por diferentes segmentos.

Há um viés minimalista, talvez até um psicodélico, sem falar no famigerado electro-pop que é explorado sem grandes pretensões. Tem até uma guitarra de blues em uma das faixas que te faz pensar "como assim, cara?!". Pois é! "Le Kov" é um disco que se propõe de várias formas e isso o torna prazeroso de ouvir e de conhecer melhor como uma ex pipette desbrava o lado b do pop.



Leia Mais »
Copyright © Música Café
Editado Por Moisés Lima | Tecnologia do Blogger
    Facebook Twitter Tumblr Instagram LastFM