7 de outubro de 2019

Resenha » maquinas - O Cão de Toda Noite (2019)


"O Cão de Toda Noite" é o segundo disco da banda cearense maquinas que saiu em 04 de Outubro desse ano. O sucessor do Lado Turvo, Lugares Inquietos veio pelo selo Mércurio Música também da capital, Fortaleza.

Três anos depois do primeiro disco. o grupo viu a necessidade de ressignificar sua sonoridade estreitando laços com outros sons para criar um conceito diferente para esse novo momento.

A gente percebe isso logo de cara em Maus Hábitos. Na faixa, o saxofone surge como novidade e logo vira um aliado de peso e recorrente no instrumental se tornando um decoro em meio a parafernália criada pelo maquinas! Corpo Frágil é uma faixa longa cheio de desdobramentos como uma batida pulsante quando os vocais vem à tona, um momento mais inquietante e um surpreendente jazz que acalma o frenesi de minutos antes.

O Silêncio É Vermelho, que ganhou vídeo clipe, é o momento mais profundo da banda que nos conduz por uma melodia cadenciada, melancólica quero dizer, ecoando em um ambiente silencioso, acompanhado de vocais que beira a sussurros e que vai sendo modificado quando o tom da música começa a subir. Na faixa seguinte, Sintomas, o teremim em conjunto com o saxofone e demais instrumentos tornam a faixa um suspense só.



Depois desse leve "susto", o maquinas volta a preservar uma harmonia de sons em Meia Memória com o instrumental calibrado. Como o disco num todo é recheado de surpresas, Prepara-se Para o Pior revela mais uma. Aqui uma história é declamada enquanto a dissonia amplifica o que é dito.

O labirinto musical do maquinas tem trechos de maior complexidade e outros que a banda parece entregar um mapa para decifrarmos seus caminhos com mais facilidade como o viés dream-pop que cruza com o drone em Melindrone. A faixa que encerra o registro é a Nuvem Preta com o grupo sintetizando tudo que surgiu no álbum até agora em uma única canção.

Em "O Cão de Toda Noite" a banda contou com o apoio de vários músicos como Clau Aniz, Ayla Lemos, Felipe Couto, Eros Augustus, Breno Baptista e Y.A.O. Convidados esses que suplementaram, quer com a voz ou no instrumental, a identidade sonora do maquinas em "O Cão de Toda Noite".

Ouça: Spotify | Deezer | Tidal

Nenhum comentário:

Postar um comentário