Resenha » Lestics - Breu (2018) | MÚSICA CAFÉ

quarta-feira, 4 de julho de 2018

Resenha » Lestics - Breu (2018)

"até um certo ponto é tudo início 
passado esse limite é tudo fim 
é como decolar de um trampolim 
e mergulhar no breu do precipício"

A letra acima é da faixa Breu que inicia o novo disco do Lestics de mesmo nome, "Breu", palavra essa que nos leva a um lugar escuro onde não se enxerga quase nada. Metaforicamente falando é um nome apropriado para a abordagem da banda no registro por trazer algo realístico as variadas situações que podem nos afligir e não enxergamos uma solução a frente. 

Quanto a fazer um disco com boas letras o Lestics acertou em cheio. O novo disco recebeu toda uma atenção especial com direito a fanzine e tudo. Aliás falando um pouco sobre a banda, ela é aquela que sempre lança discos interessantes, mas parece que muitos ignoram seu real valor. Eles já estão nas vielas do underground brasileiro desde 2006 e já colecionam oito discos de estúdio. Um trabalho e tanto!

O novo disco "Breu" tem muito a dizer em suas letras. Como vemos na segunda faixa, Mais do Que Isso, o grupo foca em expor o cotidiano e a chatice que ele pode causar: o trabalho sem graça, o descanso mortiço é preciso que exista algo mais do que isso. Entre uma visão realista e talvez conformista há um espaço para se ter desejo como bem retratada em Dois quando conclui: um sempre foi perfeitamente bom mas dois também não deve ser ruim.



A faixa Balada do Fundo do Bar traz um sugestivo brega alternativo(?) narrando aquele trágico momento que você vai afogar as mágoas em um bar (garçom, deixe o mundo acabar mas não deixe o meu copo vazio). O instrumental no álbum, bem polido, se conecta bem as letras e adapta ritmo e intensidade ao sentimento presente em cada canção cantadas na voz de Olavo Rocha. A roupagem roqueira do Lestics preza por expor uma imagem simples e honesta de suas referências como destaca bem as singelas Do Jardim e Fim de Tarde Nas Ilhas Bikini.

A belíssima Far Niente, expressão italiana que significa "fazer nada", encerra o disco mostrando uma balada cuja melodia cativante carrega um sentimento não muito esperançoso: a preguiça promete à vergonha que o dia seguinte vai ser diferente.  

Ouvir "Breu" mais de uma vez se faz necessário. Na primeira vez muitos detalhes podem passar despercebidos e ele te obriga a ouvi-lo novamente pois há muito a revelar. É curto, de apenas sete faixas no total de 27min, que mostra a urgência de expor sentimentos presos e reais com um tom poético. 

Breu | Download


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Copyright © Música Café
Editado Por Moisés Lima | Tecnologia do Blogger
    Facebook Twitter Tumblr Instagram LastFM