23 de outubro de 2015

Resenha » O Nó - EP 1 (2015)

O Tame Impala do lado dos gringos e o Boogarins do lado brasileiro estão em alta com sua marca psicodélica. Ambos lançaram discos esse ano, "Currents" do Tame Impala que manteve o hype da banda, se não elevou ainda mais e o "Manual" do Boogarins que recentemente ganhou destaque no site New York Times (clique aqui).

Bem, pensando em algo nacional, os meninos da banda O Nó, de São Paulo, nos dão muitos motivos em seu EP para acreditarmos que também são protagonistas de categoria desse movimento psicodélico.

A banda é composta por Alexandre Ferlauto, Matheus PerelmutterMateus BentivegnaRodolfo Almeida. Eles carregam uma pegada clássica que aspira algo do rock progressivo com texturas psicodélicas. A introdução do EP1, EG-1 1990, é uma amostra instrumental onde o conjunto apresenta os ritmos que o registro vai tomar. Os vocais que ecoam por ondas lisérgicas junto ao turbilhão da guitarra dão uma contribuição generosa para anunciar a musicalidade do grupo de personalidade como na faixa O Sol. Como eles mesmo dizem há uma pitada brega com um teor nostálgico:

O Nó é uma confusão de referências fragmentadas que só poderiam coexistir, se não na cabeça de um Thomas Pynchon, em plena era da internet. Regurgitando influências da coleção de LPs dos pais, eles citam e se apropriam de tudo. É uma esquizofrenia bem própria dessa geração. Não tem geografia própria porque não tem geografia propriamente. A distinção entre a chamada alta cultura da chamada baixa cultura já está abolida. A coesão e a coerência, que parecem faltar, existem dentro de uma relação interna. Não existe uma narrativa linear, mas uma sucessão de cenas que podem ou não conversar entre si. São peças intercambiáveis.

A atmosfera de Ouro-e-Fio lembra os trabalhos do Cidadão Instigado. A vibe eletrônica e sinestésica comandadas pelos synths em Nublado e Escuro Sem Fim (Quasar) ressaltam as referências do grupo como o interesse pelo passado se entrelaçando com o atual. Sem dúvidas, um pequeno e belo registro nacional que não só amplia, mas dá qualidade a essa nova onda psicodélica.

Nota: ★★★★



O download é gratuito no Bandcamp da banda que também disponibiliza a demo lançada ano passado.