6 de fevereiro de 2015

Resenha » Jair Naves - Trovões a Me Atingir (2015)

Foto por: Jaime Silveira
Dedicação é uma das qualidades que permeia o trabalho do Jair Naves que traça suas metas com os pés no chão e cada verso criado é um passo que o músico dá para atingir seu objetivo, uma nova obra criada onde, no mínimo, nasce um trabalho honesto que o represente bem. Felizmente seu segundo disco, "Trovões a Me Atingir", supre as expectativas criadas logo após dois anos desde o aclamado "E Você Se Sente Numa Cela Escura, Planejando A Sua Fuga, Cavando O Chão Com As Próprias Unhas".

Cheio de convidados, Beto Mejia (Móveis Coloniais de Acaju), Guizado, Bárbara Eugênia e Camila Zamith entre outros, o disco começa mostrando os traços roqueiro do músico com a faixa Resvala, um início energético com um baixo pulsante abrindo espaço para um momento mais clássico com a guitarra elétrica regendo os arranjos de 5/4 (Trovões Vem Me Atingir). Aqui Jair é flexível começando a abrir caminho para o pop rock, nada tendencioso ou pretensioso, a ponto de nascer um apego excessivo, criado por uma guitarra ensolarada que segue iluminando nosso percurso pelo disco para chegarmos contentes em Incêndios (O Clarão de Bombas a Explodir).

É uma trajetória de descobertas e apostas até mesmo para o próprio Jair que emenda o clima amistoso da canção anterior com o ar doce e singelo de B. onde os versos divididos com Bárbara Eugênia tornam suave a audição da faixa. Jair explora uma variedade de sons para embalar sua poesia e se antes uma bela canção como, Incêndios (O Clarão de Bombas a Explodir), termina destoada por uma linha de metais e percussão deslocadas, a próxima faixa Prece Atendida inicia com um toque refinado do violino dando ritmo e emoção numa canção em que Jair nos embala com uma letra apaixonante "São palavras que eu nem meço / Escoando pelo meu peito aberto / Tudo que eu tenho é o sonho em que eu tanto insisti / Em que eu tanto insisti". Eis a melhor faixa do disco.

Essas duas últimas faixas afirmam o lado romancista do cantor bem registrado em suas letras, daí o que vem pela frente soa como se fosse o lado b do Jair, intempestivo, na faixa Em Concreto com vocais revoltos e gritantes. É como ter um surto do nada, talvez um lapso do passado que emerge em um momento inesperado querendo se libertar, e que logo em seguida você começa a recobrar a consciência retomando o seu momento atual, sua nova fase. Deixe/Force, delineada com o pop e um refrão simples e impregnante cantado a dois, Jair e Camila Zamith, te causa essa impressão depois de escutar uma canção feroz como Em Concreto.

No Meu Encalço traz o grave da voz de Jair e seu ensejo roqueiro com elementos que vão ganhando um destaque maior como a linha volumoso do baixo na faixa. A nona e última canção, Um Trem Descarrilhado, apresenta um Jair esperançoso "que o amor encubra o som do mundo a ruir" e ao mesmo tempo instigante, "a sensação de não-pertencimento ainda me enfrenta". As letras de "Trovões a Me Atingir" são valiosas, daquelas que você extrai um pensamento inteligente, cômico ou romântico que devem ecoar por aí.

Jair Naves é atualmente, ao lado do SILVA, um dos grandes representantes da cena alternativa que fazem a música brasileira, seja o rock, o pop...., ganhar novos contornos e sentidos sempre nos proporcionando discos notáveis e letras impecáveis. 

Trovões a Me Atingir - Download

Nota: 8,5