15 de junho de 2014

Resenha » Alexis Taylor - Await Barbarians (2014)

O vocalista de uma banda quando se envereda na carreira solo não necessariamente segue o mesmo padrão da banda que participa(va). Ele tem a opção de tomar um rumo diferente o que valeria pela ousadia, mas que isso também acarretaria em alguns riscos. Criar um disco solo por si só já carrega seus desafios relacionados a uma comparação do antes e o depois de como o artista vai se comportar agora, que caminhos vai seguir e as decisões que vai tomar.

Rodrigo Amarante foi um que escolheu o desapego ao Los Hermanos para andar em um caminho solitário no duvidoso Cavalo. O Alexis Taylor é outro que consegue sobreviver além de sua banda, o Hot Chip, fazendo bonito fora das dançantes pistas eletrônicas com seu disco "Await Barbarians".

O prelúdio no início do disco com um piano, Lazy Bones, anuncia que Taylor procura fugir das festas descobrindo um refúgio para descansar. Aos poucos ele vai encontrando um abrigo tranquilo para fazer os sintetizadores destoarem da existência maciça deles no Hot Chip para desta vez aparecerem formando uma estética minimalista junto a um guitarra cadenciada como em From The Halfway Line. O conforto vai se tornando um efeito desejado quando ele cantarola Without A Crutch (2) numa melodia suave embelezada por uma gaita no seu clímax.


As três primeiras faixas são indicativos certeiros de que Alexis Taylor decidiu criar um disco intimista que, no decorrer dele, faixas como Immune System e Dolly and Porter reafirmam o novo estado de espírito do cantor. Sua serenidade o faz soar até introspectivo em Closer To The Elderly e melancólico em Elvis Has Left The Building. O piano afinado em Piano Ducks é a companhia perfeita para Alexis Taylor desfrutar de uma calmaria e proporcionar para nós um disco refinado.

O estilo minimalista de suas canções, New Hours e Where Would I Be?, faz de Taylor um artista habilidoso que sabe trabalhar em cima de diferentes estéticas deixando o produto final com qualidade. A guitarra arranhada em Am I Not a Soldier? é um aditivo usado nesse plano que valoriza as batidas eletrônicas e enriquece o disco. Para finalizar, o músico deixa Without A Crutch (1) em um clima mais tácito do que sua versão original.

Sem precisar apelar para suas próprias referências enquanto no Hot Chip a fim de usar os sintetizadores para criar uma vibe eletrônica potencializada, Alexis Taylor consegue fazer um disco pessoal, íntimo e inovador para ele mesmo.

Ouça o streaming do disco no site da Pitchfork clicando aqui.  

Nota: 8,5



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Copyright © Música Café
Editado Por Moisés Lima | Tecnologia do Blogger
    Facebook Twitter Tumblr Instagram LastFM