22 de novembro de 2013

Melhores Discos de 2013 (50 - 46)

Com o fim do ano batendo na porta é hora de fechar as comportas de lançamentos e fazer uma reciclagem daqueles discos que de alguma maneira passaram um tempo considerável no meu player. Aproximadamente foram uns 350 discos ouvidos esse ano. Um pouco mais de 250 discos passaram pela seleção natural e permaneceram no hard disk. O resto se transformou em poeira virtual. O ano proporcionou algumas surpresas agradáveis encontradas em meio aos entulhos como o bonito disco do Ola Podrida e o pop virtuoso do Someone Still Loves You Boris Yeltsin. Foi também um ano de reafirmações como o arrojado Holy Fire do Foals e o estimado Kveikur do Sigur Rós. Sem falar do retorno arrebatador do David Bowie com o formidável The Next Day.

2013 também trouxe uma leva de decepções e discos meia-boca como o AM do Arctic Monkeys, o terceiro disco do MGMT, selftitle, e o Glow & Behold do Yuck, por exemplo. Ah, e sem esquecer dos hypes do ano: Lorde e Jake Bugg são os novos queridinhos do pedaço. Bem, vamos ao que interessa. Preparei uma lista com os 50 melhores discos que ouvi esse ano e a apresentarei em ordem decrescente de cinco em cinco.

50. Sébastien Tellier - Confection
-
Sébastien Tellier é um músico francês que gosta de brincar com vários arranjos musicais e em Confection ele criou um disco recheado de operetas delicadas. Quando não nos remonta a um período clássico ele nos direciona a um ambiente melancólico com as faixas Adieu Mes Amours e Hypnoze. O músico é bastante ousado também em criar uma valsa infantil com toques eletrônicos em 8-bits na faixa Waltz. O quinto trabalho do cantor é daqueles discos que caberiam muito bem como trilha sonora de um drama cinematográfico.



49. Work Drugs - Mavericks
-
O Work Drugs apareceu aqui no blog pelo seu trabalho dinâmico e atrativo com a música eletrônica. Mavericks é um disco de múltiplas identidades que define bem o jeito da banda manipular seu sistema sonoro: hora amplificado, hora silencioso. O disco começa de um jeito impulsivo com Young Lungs e West Coast Slide e vai esmaecendo em canções macias e flutuantes como Last Flight e For James. O Mavericks pode não ter a mesma excelência do Absolute Bearing (2012), que apareceu em terceiro lugar na minha lista dos Melhores Discos daquele ano, mas ainda reflete a qualidade inerente da banda.


48. The Courteeners - ANNA
-
ANNA é o terceiro disco do Courteeners e nesse disco percebe-se uma forte tendência da banda inclinada para o pop. Van Der Graff é aquela baladinha alternativa que até engana bem. Nesse disco o grupo britânico emplaca um ritmo acelerado fazendo o indie rock funcionar direito freando ele aqui e ali para dar uma respirada. Welcome To The Rave é o tipo de faixa que tem um apelo emotivo conduzido por riffs afinados e um refrão que pega fácil. ANNA é um disco que tem uma fórmula básica, popular e eficazmente indie.



47. Teen Daze - Glacier
-
O produtor canadense Jamison, que já indiquei aqui em outro post, lançou seu novo álbum de estúdio, Glacier, e fez dele um dos seus melhores trabalhos. A capa do disco faz jus a atmosfera etérea e congelante que o músico consegue criar com sua aparelhagem eletrônica nos jogando em uma viagem relaxante, sem perturbação alguma. Listen é uma das melhores faixas do disco temático. É aí que o cantor sai da rotina instrumental e lança sua voz delicada em segundo plano quase formando uma simbiose entre voz e melodia. O chillwave misturado com o dream-pop tem suas características bem pontuados nesse disco.
 

46. Fitz And Tuntrums - More Than Just a Dream
-
Com uma pegada indie e um espirituoso neo soul os americanos do Fitz and Tantrums fizeram um disco redondo e bem animado. Out Of My League tem um ritmo ligeiro e aquele potencial pop altamente empolgante. Michael, em parceria com Noelle e seu RnB, alcançam timbres fortes para contracenar canções de tirar o fôlego como The Walker. Mesmo quando eles dão uma diminuída no ritmo para criar uma canção mais pop, como Fools Gold, eles não perdem a força para nos contagiar. More Than Just a Dream é um disco disposto a dar uma mexida em nós.

4 comentários:

  1. A 49 é a mais legal, mas a 46 é bem relaxante.
    Resta conhecer as próximas...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Legal Abel! Recomendo ouvir o disco inteiro. Nas próximas sessões terão coisas boas também como o duo Adam Green & Binki Shapiro (aquela menina do Little Joy) :)

      Excluir
    2. gostei tbm da 49.. fiquei curioso de ouvir o albúm de 2012.

      Excluir
    3. Elton tá aqui a lista de 2012 em que o Absolute Bearing (2012) entrou como terceiro melhor disco: http://bit.ly/1iVgqmG

      E tá aqui o link pra download http://bit.ly/1bXtjpH

      Excluir

Copyright © Música Café
Editado Por Moisés Lima | Tecnologia do Blogger
    Facebook Twitter Tumblr Instagram LastFM