MÚSICA CAFÉ

Advertise Here

DISCOS NOVOS

MÚSICAS NOVAS

INDICAÇÕES

ENTREVISTAS

DOWNLOADS

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2019

Broken Social Scene - Let’s Try The After – Vol. 1 EP (2019)

    fevereiro 15, 2019   Sem Comentários
O conjunto canadense Broken Social Scene lançou hoje o EP "Let’s Try The After – Vol. 1" com cinco faixas inéditas quase dois anos depois do Hug Of Thunder, quinto disco de estúdio do grupo.

Conhecidos por buscarem fazer um som mais elaborado cheio de elementos extras que dão um charme a mais em suas músicas, o grupo de Kevin Drew (of Montreal) deu mais uma pequena amostra da qualidade da banda em apenas cinco faixas. Elas totalizam 19min e apresentam um indie rock mais criativo e dinâmico.

Ouça: Remember Me Young e Boyfriends

terça-feira, 12 de fevereiro de 2019

Três Lançamentos Nacionais: LITL, YMA e Assini

    fevereiro 12, 2019   Sem Comentários
Iniciando os trabalhos destinados a compartilhar alguns lançamentos nacionais ao longo do ano com três discos completamente distintos que abarca os mais variados públicos. As bandas/artistas em questão são: a LILT, a YMA e o Assini.

Abaixo um breve comentário sobre cada um deles bem como o link para ouvir os registros.

A LILT é uma banda de rock instrumental de Fortaleza que lançou seu primeiro álbum cheio chamado "Solis" pelo selo Sinewave, especializado no estilo. O disco traz uma sonoridade dissonante com riffs cruzando faixa a faixa e grooves que remetem a pluralidade instrumentista que a banda apresenta.

Ouça: Aurora



YMA é a banda da Yasmin Mamedio e sua trupe que começaram o ano lançando também o primeiro disco cheio da cantora intitulado "Par de Olhos". O disco traz canções com boas doses do rock e do pop em equilíbrio. Batidas eletrônicas e guitarra que explora o viés psicodélico se apresentam para dar um sobretom diferenciado no disco.

Ouça: Sun And Soul e Pequenos Rios



"Tragic But Magic" é o EP do músico Assini que faz uma mistura dançante de folk com música eletrônica vide a faixa Dance Until I Die e Miss U. O destaque do pequeno registro fica por conta da belíssima I Would Die For You com um melodia singela e vocais que chegam a nos lembrar Sam Beam do Iron & Wine. Uma baladinha certeira!

Ouça: I Would Die For You

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2019

Disco da Semana » Daniel Land - The Dream Of The Red Sails (2019)

    fevereiro 08, 2019   Sem Comentários
Iniciando as indicações esse ano aqui no blog, cá temos um disco cuja sonoridade é uma das que mais me apetece e que me levou a escutá-lo várias vezes durante a semana. Ele é também uma indicação que o consagrado Eduardo Salvalaio do site Urge me passou. Trata-se do "The Dream Of The Red Sails" do Daniel Land.

O desconhecido músico já tem uma carreira recheada de discos com outros projetos entre eles o mais conhecido é a banda Engineers que surgiu no boom indie dos anos 00'. Seu novo álbum solo, o quarto, foi lançado no início do ano em 04 de Janeiro. Além dele o música lançou no mesmo dia o EP "A Certain Kind Of Light".



A cada música da pra sentir que o véu etéreo e harmonioso do dream-pop vai cobrindo todo o disco abrindo espaço para subcamadas de slowcore e shoegaze ecoarem também pela áurea do ambiente distribuindo afagos melancólicos em nossos ouvidos.

O disco é daqueles que pintam uma paisagem fria, chuvosa, que te leva ao prazer do silêncio de melodias suaves com notas preparadas para não perder o tom a que são propostas. Aos amantes do Dream-pop, clássico ou atual, este disco será um capricho para seus ouvidos.

Ouça: Long Before The Weather, Starless e Fleur Du Mâle

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2019

Resenha » The Dandy Warhols - Why You So Crazy (2019)

    fevereiro 07, 2019   Sem Comentários
Aos poucos os bons discos de 2019 começam a aparecer e pode-ser dizer que o novo registro da The Dandy Warhols é um desses.

O veterano grupo americano completa este ano 25 anos de carreira chegando ao seu décimo disco de estúdio chamado "Why You So Crazy", um disco de múltiplas facetas por assim dizer. Após uma breve recitação no início em Fred N Ginger, o The Dandy Warhols começa com uma batida metódica em Terraform repetindo várias vezes a letra da música.

A coisa começa a ficar interessante mesmo em Highlife com uma estética retrô que remete aos anos 60 tanto na melodia como nos vocais de Zia McCabe. Na sequência um dos singles do disco, o hit Be Alright que ganhou um clip no formato 360º, complementa a música anterior com um ritmo roqueiro linear e a rouquidão de Courtney Taylor nos vocais. Até aqui as coisas andam muito próximos.



Já em Thee Elegant Bum, começamos a ver o disco tangenciar para outros lados e ritmos. Isso fica mais evidente em Sins Are Forgiven quando o grupo emplaca uma melodia country (americana). Ligeiramente o Dandy Warhols faz a gente imergir em tais mudanças sem causar danos a audição do disco, mesmo quando o contraste soa gigantesco como a obscura Next Thing I Know e a pop Small Town Girls.

Fazer as canções soarem diferentes entre si definitivamente é a premissa desse disco do The Dandy Warhols. Percebam como To The Church soa experimental a nível das anteriores com ruídos intrometendo o tempo todo nos arranjos para destoar propositalmente. É curioso como isso acontece de forma suave sem causar a impressão de ser outra banda e como o disco acaba não sendo cansativo por isso. De forma inesperada, como várias músicas no disco, a faixa Motor City Steel volta a trazer o clima retrô visto em Highlife com uma aparência mais divertida.

A penúltima faixa, Forever, se encaixa bem na proposta. Bom, seria redundância dizer que a próxima faixa soa diferente de todas as outras? Pois bem, o The Dandy Warhols poderia encerrar o disco de um jeito parecido com outra música, mas seguindo a premissa do disco eles resolveram emplacar uma sofisticada música clássica, só no dedilhar no piano, no apagar das luzes. Bravo!

terça-feira, 5 de fevereiro de 2019

Ouça: Lucy Dacus - La Vie En Rose (Édith Piaf Cover)

    fevereiro 05, 2019   Sem Comentários
A Lucy Dacus passou de indicação aqui no blog em 2016 quando laçou seu primeiro disco, "No Burden", para a dona do melhor disco de 2018 com o belíssimo "Historian". Fora que além do trabalho solo dela, ela se juntou a Julien Baker e Phoebe Bridgers para formar a Boygenius lançando um bom EP ano passado.

Em alta, ela iniciou 2019 lançando um cover de La Vie En Rose de Édith Piaf cantando em dois idiomas, o francês e o inglês. O resultado ficou bem bonito! Ao longo do ano ela lançará outras músicas em datas comemorativas além de um possível EP.




quinta-feira, 24 de janeiro de 2019

Weezer - The Teal Album (2019)

    janeiro 24, 2019   Sem Comentários
Desde o ano passado que o Weezer brincava de fazer covers quando lançou a versão da clássica Africa, música do Toto. Além disso o grupo havia anunciado o lançamento do novo álbum de inéditas chamado "The Black Album" para 01 de Março desse ano.

Daí pegando geral de surpresa, Rivers Cuomo e companhia lançaram de ontem pra hoje um álbum só de covers chamado "The Teal Album". E não é que tá bem legal?! As versões são todas de clássicos do rock e do pop tais como Paranoid do Black Sabbath, Sweet Dreams (Are Made Of This) do Eurythmics e Billy Jean do Michael Jackson bem como o hit Take On Me do a-ha.

Confere o tracklist completo e entra no embalo da brincadeira.

01. Africa (Toto)
02. Everybody Wants To Rule The World (Tears For Fears)
03. Sweet Dreams (Are Made Of This) (Eurythmics)
04. Take On Me (a-ha)
05. Happy Together (The Turtles)
06. Paranoid (Black Sabbath)
07. Mr. Blue Sky (Electric Light Orchestra)
08. No Scrubs (TLC)
09. Billy Jean (Michael Jackson)
10. Stand By Me (Ben E. King)

segunda-feira, 21 de janeiro de 2019

Os Dez Melhores Discos Internacionais de 2018

    janeiro 21, 2019   Sem Comentários
Nada como começar o ano concluindo as pendências do ano passado, não é mesmo?! Pois bem, havia publicado a lista com os Dez Melhores Discos Nacionais na metade de Dezembro e agora pra completar cá temos a lista com os dez Melhores Discos Internacionais de 2018.

Uma lista pra lá de sons esquisitos, peculiares e outros já conhecidos, mas ainda assim necessários. Segue a lista abaixo com breves comentários e uma playlist no final do post.

10. The Beths - Future Me Hates Me
-
O The Beths foi uma indicação aqui no blog por terem feito o famoso "simples e bem feito". O debut "Future Me Hates Me" vem carregado de hits com base num indie pop garageiro bem indiezinho divertido.

Ouça: Bandcamp | Spotify | Deezer

09. Kamasi Washington - Heaven And Earth
-
O saxofonista Kamasi Washington construiu outra saga épica em "Heaven And Earth". Nele as predominantes texturas que caracterizam o músico passearam por diferentes sonoridades.

Ouça: Spotify | Deezer

08. Yves Tumor - Safe In The Hands Of Love
-
Sean Bowie é o bisonho Yves Tumor criador de um dos elogiados discos do ano, o "Safe In The Hands Of Love". A base experimental permeia todo o registro. Há espaço para uma certa normalidade, mas é na estranheza que Yves mais se encontra.

Ouça: Spotify | Deezer

07.  Mitski - Be The Cowboy
-
"Be The Cowboy" pode não ser o melhor disco da Mitski, mas foi com ele que ela alcançou um patamar mais alto no meio musical isto porque o pop foi cada vez mais explorado e assertivo sem que abalasse sua postura roqueira.

Ouça: Bandcamp | Spotify | Deezer

06. Beach House - 7
-
O Beach House é a queridinha da galera. Em "7" o dream-pop encontra-se lapidado e embora carregue traços do passado ele soa perfeitamente atual com um véu psicodélico envolvendo o álbum. Há quem não tenha gostado, mas eu achei massa!

Ouça: Bandcamp | Spotify | Deezer

05. Sophie - Oil Of Every Pearl's Un-Insides
-
A estreia da Sophie ia passar batido. No final ainda deu tempo de ouvir esse belo trabalho. O pop é só uma desculpa pra cantora destilar seu som exótico e cheio de nuances. É tão curioso e diferente que você chegar a pensar a cada faixa: "é o mesmo disco?". É!

Ouça: Soundcloud | Spotify | Deezer

04. Low - Double Negative
-
"Double Negative" é o disco do Low que deixou geral perplexo. Vale ressaltar que o slowcore, um dos principais segmentos da banda, está presente na obra. Entretanto o destaque fica por conta das variadas ambientações criadas, cheias de burburinhos e sons experimentais.

Ouça: Bandcamp | Spotify | Deezer

03. Shame - Songs Of Praise
-
Os meninos do Shame só tem cara de meninos mesmo. O som dos caras é de gente grande. Trazem aquele post-punk robusto e agressivo o tempo todo. "Songs Of Praise" traz um som pulsante que muitos chamam de petardo e com razão!

Ouça: Bandcamp | Spotify | Deezer

02. Iceage - Beyondless
-
Muitos escolheram o "Beyondless" como o disco de rock do ano. Não à toa, pois o registro traz todos os atributos de um bom post-punk: robusto, agressivo, sufocante e outros mais que você consiga destacar no estilo.


01. Lucy Dacus - Historian
-
Num ano marcado por bons discos de cantoras, o que mais me impressionou foi o da Lucy Dacus, "Historian". Desde o debut "No Burden" ela chama atenção. No novo álbum ela entregou um disco coeso equilibrando a delicadeza do pop com a firmeza do rock. Isso com um belíssimo timbre grave que encanta qualquer sujeito!

Ouça: Bandcamp | Spotify | Deezer

© 2013 - 2019 MÚSICA CAFÉ | Designed by Bloggertheme9 | Powered by Blogger