28 de março de 2017

Chaz Bundick Meets The Mattson 2 - Star Stuff (2017)

Se você assim como eu não conseguiu associar o nome ao cantor, saiba que Chaz Bundick é o cara por trás do nome Toro y Moi. Já os Mattson 2 são dois irmãos gêmeos da Califórnia que tocam jazz e se juntaram ao Chaz para fazer um som despretensioso e de bom gosto.

O resultado desse encontro é o disco "Star Stuff" de oito faixas. Há nele uma fusão entre os envolvidos e suas experiências numa amistosa mistura de jazz, blues, funk e psicodelia. Enquanto as músicas instrumentais destacam essa união, as faixas que Chaz canta carregam a vibe ensolarada, característica dele enquanto Toro y Moi, dando ainda mais qualidade a obra.




http://www.musicacafe.com.br/p/lojinha-musica-cafe.html
LEIA MAIS ›

Ouça: Slowdive - Sugar For The Pill

O esperado retorno do Slowdive já tem data marcada e os detalhes do novo disco revelados.

Hoje o grupo que sai de um hiato de 22 anos apresentou a inédita Sugar For The Pill por meio de um vídeo cheio de imagens geométricas. A faixa mostra um dream-pop menos sombrio. Já o disco homônimo têm apenas oito faixas, duas delas disponibilizadas, e sairá em 05 de Maio.

01. Slomo
02. Star Roving
03. Don't Know Why
04. Sugar For The Pill
05. Everyone Knows
06. No Longer Making Time
07. Go Get It
08. Falling Ashes
-


http://www.musicacafe.com.br/p/lojinha-musica-cafe.html
LEIA MAIS ›

20 de março de 2017

Parlor Walls - Opposites (2017)

A Parlor Walls se autointitula uma banda de "trash jazz" devido as recorrentes distorções guitarrística aliadas ao persistente uso do saxofone em sua linha de frente criando um som que também podemos chamar de noise jazz ou algo próximo a isso.

Esse ano o trio de Brooklyn apresentou no dia 10 de Março seu debut chamado, "Opposites", depois de lançar dois EPs, "CUT" (2015) e "Parlor Walls" (2014).

No álbum encontramos a junção de dois segmentos distintos que soa estranhamente legal e interessante ainda que não haja um equilíbrio quantitativo no uso de ambas as partes. O predominante noise movido em um viés punk ganha força nos vocais de Alyse Lamb que nos lembra Sleater-Kinney e Warpaint, por exemplo, e o dito "trash jazz" surge arranhado como figura não menos importante no conjunto para dar certa elegância a dissonância. 

Pra quem gosta de bandas como as já citadas, Honeyblood, No Joy e Ringo Deathstarr é bem provável que curta o som da Parlor Walls. Ouça o disco na íntegra logo abaixo.



LEIA MAIS ›