30 de dezembro de 2015

Os Dez Melhores Discos Nacionais de 2015

Com a lista dos Melhores Discos Internacionais do ano já publicada só faltava a dos melhores discos nacionais pro Música Café fechar 2015. Agora não falta mais! Se ano passado teve uma leva de bons discos (veja a lista aqui), esse ano o lado b brasileiro se manteve em alta ficando fácil fazer uma lista de 20, 30...por assim dizer.

Esse ano divulguei mais lançamentos nacionais, daí surgiu uma série que somou cinco posts contendo dez trabalhos novos em cada postagem para alcançar esse objetivo o que acabou deixando a marca da pluralidade sonora que é feita Brasil à dentro. Daí formou-se a lista abaixo. Devido a disponibilidade de tempo acabou ficando sem o resumo de cada álbum como de costume. No mais, obrigado a todos que acompanham o Música Café e até daqui a pouco.

10. Lê Almeida - Paraleloplasmos

09. Cidadão Instigado - Fortaleza

08. Zé Pi - Rizar

07. Phillip Long - Zeitgeist

06. Jair Naves - Trovões a Me Atingir

05. Pélico - Euforia

04. Jonathan Tadeu - Casa Vazia

03. Quarto Negro - Amor Violento

02. Frabin - Real

01. This Lonely Crowd - Meraki

Ouça a playlist com uma faixa de cada álbum.
LEIA MAIS ›

24 de agosto de 2015

PlayList #08 // O Lado-(B)rasileiro de 2015

Que tal saber a cara de alguns lançamentos nacionais desse ano reunidos numa playlist bem bacana?! Muita coisa boa saiu no primeiro semestre com destaque para Jonathan Tadeu, Pélico, Jair Naves e outros mais. É bem provável que o disco deles acabem figurando na lista de melhores do ano de muita gente por aí. A playlist dedicada aos lançamentos nacionais serve de apresentação para você ir lá e baixar o disco caso tenha gostado da música. Ouça, baixa e confira!

01. Jonathan Tadeu - Começar de Novo
02. Pélico - Sozinhar-me
03. Trupe Chá de Boldo - Cine Espacial
04. Diogo Strausz - Me Ama
05. Monocine - Deixa Eu Entrar
06. Banda Gentileza - Chorume
07. Phillip Long - Tired Of Being a Boy
08. Aline Lessa - Para Luciana
09. Jair Naves - Prece Atendida
10. Passo Torto - O Cinema É Melhor
-
[Download]

LEIA MAIS ›

6 de fevereiro de 2015

Resenha » Jair Naves - Trovões a Me Atingir (2015)

Foto por: Jaime Silveira
Dedicação é uma das qualidades que permeia o trabalho do Jair Naves que traça suas metas com os pés no chão e cada verso criado é um passo que o músico dá para atingir seu objetivo, uma nova obra criada onde, no mínimo, nasce um trabalho honesto que o represente bem. Felizmente seu segundo disco, "Trovões a Me Atingir", supre as expectativas criadas logo após dois anos desde o aclamado "E Você Se Sente Numa Cela Escura, Planejando A Sua Fuga, Cavando O Chão Com As Próprias Unhas".

Cheio de convidados, Beto Mejia (Móveis Coloniais de Acaju), Guizado, Bárbara Eugênia e Camila Zamith entre outros, o disco começa mostrando os traços roqueiro do músico com a faixa Resvala, um início energético com um baixo pulsante abrindo espaço para um momento mais clássico com a guitarra elétrica regendo os arranjos de 5/4 (Trovões Vem Me Atingir). Aqui Jair é flexível começando a abrir caminho para o pop rock, nada tendencioso ou pretensioso, a ponto de nascer um apego excessivo, criado por uma guitarra ensolarada que segue iluminando nosso percurso pelo disco para chegarmos contentes em Incêndios (O Clarão de Bombas a Explodir).

É uma trajetória de descobertas e apostas até mesmo para o próprio Jair que emenda o clima amistoso da canção anterior com o ar doce e singelo de B. onde os versos divididos com Bárbara Eugênia tornam suave a audição da faixa. Jair explora uma variedade de sons para embalar sua poesia e se antes uma bela canção como, Incêndios (O Clarão de Bombas a Explodir), termina destoada por uma linha de metais e percussão deslocadas, a próxima faixa Prece Atendida inicia com um toque refinado do violino dando ritmo e emoção numa canção em que Jair nos embala com uma letra apaixonante "São palavras que eu nem meço / Escoando pelo meu peito aberto / Tudo que eu tenho é o sonho em que eu tanto insisti / Em que eu tanto insisti". Eis a melhor faixa do disco.

Essas duas últimas faixas afirmam o lado romancista do cantor bem registrado em suas letras, daí o que vem pela frente soa como se fosse o lado b do Jair, intempestivo, na faixa Em Concreto com vocais revoltos e gritantes. É como ter um surto do nada, talvez um lapso do passado que emerge em um momento inesperado querendo se libertar, e que logo em seguida você começa a recobrar a consciência retomando o seu momento atual, sua nova fase. Deixe/Force, delineada com o pop e um refrão simples e impregnante cantado a dois, Jair e Camila Zamith, te causa essa impressão depois de escutar uma canção feroz como Em Concreto.

No Meu Encalço traz o grave da voz de Jair e seu ensejo roqueiro com elementos que vão ganhando um destaque maior como a linha volumoso do baixo na faixa. A nona e última canção, Um Trem Descarrilhado, apresenta um Jair esperançoso "que o amor encubra o som do mundo a ruir" e ao mesmo tempo instigante, "a sensação de não-pertencimento ainda me enfrenta". As letras de "Trovões a Me Atingir" são valiosas, daquelas que você extrai um pensamento inteligente, cômico ou romântico que devem ecoar por aí.

Jair Naves é atualmente, ao lado do SILVA, um dos grandes representantes da cena alternativa que fazem a música brasileira, seja o rock, o pop...., ganhar novos contornos e sentidos sempre nos proporcionando discos notáveis e letras impecáveis. 

Trovões a Me Atingir - Download

Nota: 8,5

LEIA MAIS ›