14 de agosto de 2017

Disco da Semana » Ulrika Spacek - Modern English Decoration (2017)

Muitos dizem por aí que o Pavement foi um dos precursores do indie rock nos anos 90 respondendo a altura a febre britpop que tomava conta no Reino Unido.

É verdade que de um tempo pra cá o dito rock independente tem agregado características cada vez mais pop com a inserção de elementos eletrônicos e uma linha melódica nos arranjos levando muitas bandas a uma inevitável redundância.

Felizmente para muitos entusiastas do rock das décadas recentes ainda existem bandas que dispensam essas tendências e revivem aquele som cru e seco que deu vazão ao "movimento" da época. Posso dizer que uma dessas bandas é a Ulrika Spacek, da Inglaterra, que apresentou esse ano seu segundo álbum da carreira chamado "Modern English Decoration".


De forma bem direta, a banda nos faz lembrar não somente o já citado Pavement como também nos remete a Sonic Youth e, talvez um pouco mais distante, o Spiritualized. A distorção das guitarras tocadas sem pressa, baixo e bateria pulsantes ditam o ritmo cadenciado e criam um aparente atmosfera psicodélica ao fundo.

No "Disco da Semana", a Ulrika Spacek traz de volta os tortos caminhos garageiros e por um bom momento ouvindo o disco sentimos o passado mais próximo de nós.

LEIA MAIS

7 de agosto de 2017

Disco da Semana » The Sorry Shop - Softspoken (2017)

Num ano em que vibramos com os retornos de dois expoentes do shoegaze/dream-pop, Ride (Weather Diaries) e Slowdive (Slowdive), nossos ouvidos são alertados quando ruídos e aquele som efervescente começa a repercutir por aí.

Esse barulho que chega aos nossos ouvidos nos levam a escutar uma das boas representantes nacionais do estilo: a The Sorry Shop.



A banda gaúcha lançou recentemente seu terceiro disco "Softspoken" contendo essências extraídas de duas referências fortes como o My Bloody Valentine e Cocteau Twins.

A consistência é uma das principais virtudes do registro que encontra no shoegaze sua base mais forte e no dream-pop o apoio para suavizar a melodia quando soa necessário para equilibrar as coisas.

O disco encontra-se pra download gratuito. Confere aí!

LEIA MAIS

1 de agosto de 2017

Disco da Semana » I/O - Anyone, Anywhere (2017)

Pra quem gosta de música instrumental, do post-rock pra ser mais específico, o segundo disco dos caras da I/O é uma boa pedida.

O grupo de Boston apareceu aqui com o lançamento de seu debut chamado "Saudade" três anos atrás e agora surge com seu segundo trabalho cheio, "Anyone, Anywhere".

O disco tem nove faixas onde a banda expõe harmonia e uma explosão de sons variando a intensidade dos instrumentos para conseguir seu propósito. Há momentos que você viaja acompanhando a melodia suave como CB, MA e a faixas I, II e III que funcionam como um interlúdio melancólico para um lado mais agressivo do disco, muitas vezes de clima apocalíptico, como pode retratar 60 // South e To Everyone I Could Have Loved & All The Places We Could Have Called Hom.

Dispensando a saga sonora de fazer músicas que podem durar a eternidade, uma característica de bandas do post-rock, a I/O opta por entregar um disco mais enxuto ainda assim representando bem o estilo com riffs potentes e melodias avassaladoras.



http://www.musicacafe.com.br/p/lojinha-musica-cafe.html

LEIA MAIS

21 de julho de 2017

Disco da Semana » Waxahatchee - Out In The Storm (2017)

O disco da semana dessa vez traz o novo trabalho da Waxahatchee, Katie Crutchfield, fazendo uma bela dobradinha com o novo da Japanese Breakfast que apareceu aqui semana passada.

A americana está na estrada desde 2010 e em 2015 seu terceiro disco, "Ivy Tripp", recebeu boas críticas por aí a fora. "Out In The Storm" é o quarto trabalho da cantora cuja fórmula tem como base o indie rock interligado com um pouco de noise e o surf pop, algo similar ao que encontramos em Best Coast, Angel Olsen, Eskimeaux e Colleen Green. Nesse trabalho a sonoridade da cantora ganha um apelo comercial assertivo que entrega bons hits como Never Been Wrong e Recite Remorse, por exemplo.



Apesar da recorrência pop se afirmar no disco levando a cantora a um público maior, sua essência permanece inalterada com Katie matendo a base roqueira de suas obras.

Aqui no disco ela alterna a pegada de suas músicas desde algo mais melódico como na baladinha romântica só no violão em A Little More e Fade a um ritmo ligeiro e agressivo em Hear You e No Question. Algo estrategicamente feito para reconfortar nosso ouvido e impactar logo em seguida.

Particularmente esse foi o disco dela que me fez ouvir novamente "Ivy Tripp" e os anteriores "American Weekend" (2012) e "Celurean Salt" (2013) e ver o quanto o som da Waxahatchee é bom. Se ainda não ouviu esse disco não o deixe de conferir assim como os outros trabalhos da cantora.



http://www.musicacafe.com.br/p/lojinha-musica-cafe.html
LEIA MAIS

10 de julho de 2017

Disco da Semana » Japanese Breakfast - Soft Sounds From Another Planet (2017)

O mais novo disco a aparecer na seção "Disco da Semana" inaugurada semana passada é o segundo trabalho da Japanese Breakfast, "Soft Sounds From Another Planet".

Michelle Zauner é nome da americana por trás da Japanese Breakfast que vem de um bem sucedido álbum, "Psychopomp", lançado ano passado. Apesar do nome artístico sugerir o Japão, a cantora tem origens norte-coreana. Ela era vocalista de uma banda emo chamada Little Big League.

Mal fez um ano direito do debut e ela logo tratou de preparar o segundo álbum. Pode soar precoce, mas ouvindo o disco logo percebemos que a cantora superou qualquer efeito negativo de um disco feito "as pressas".



Em "Soft Sounds From Another Planet", Zauner deixa a atomosfera do disco predominantemente étera com o tom melancolico inerente de sua voz contracenando com certos ruídos de um pop feito sob medidas lo-fi. São vários os destaques do álbum: a corrosiva Diving Woman, a dançante Machinist que de quebra tem um solinho maravilhoso de saxofone surgindo em meio aos synths, a ensolarada faixa-título e a baladinha lo-fi marota de Boyish.

"Soft Sounds From Another Planet" não traz nada de diferente do que foi feito em "Psychopomp" e isso garante o mesmo sucesso que seu antecessor que figurou em algumas listas de melhores do ano.

P.S. O álbum só sai oficialmente em 14 de Julho, mas no player abaixo você já pode conferir três singles.



http://www.musicacafe.com.br/p/lojinha-musica-cafe.html
LEIA MAIS